sexta-feira, 22 de abril de 2011

Senão




O que diz o espinho quando fura a mão que se direciona à flor?
O que quer a fonte com a insistência de vencer obstáculos até ser envolvida pelo abraço do mar?
O que custa à semente a missão de produzir nova vida?
O que faz alguém sacrificar sua identidade para que os outros se identifiquem?
O que faz um pai sombrear seus sonhos para que a vida seja refletida na realização de seus filhos? E a mãe, que logo após o sacrifício do parto, se reconstitui aconchegando seu recém-nascido?
O que moveu o Criador a nos criar à Sua imagem e semelhança?
O que nos deixa em ruínas quando somos separados de alguém que nos faz bem?
O que diz o último suspiro quando o corpo decide não querer continuar?
O que diz o lamento na hora do aceno de um adeus?
O que diz o abraço na hora do tão esperado encontro?
O que nos revela a ansiosa espera por nossa outra metade?
O que é o ato de misericórdia, de compaixão, de ser solidário ou de dar a mão?
O que é capaz de reerguer alguém depois da decepção?
O que é o vínculo que faz unir dois seres, fiando o destino de duas vidas?
O que é o selo que identifica a renovação de uma vida?
O que é o pôr do sol, a noite de luar, o cancioneiro melodiando sua inspiração?
Ah! O que é o recheio da vida senão o amor?

(Josué Firmino dos Santos)